Resenha • O Segredo dos Corpos

Meu coração parou um pouquinho quando recebi esse pacote da Darkside Books com o livro O Segredo dos Corpos, escrito por Dr. Vincent Di Maio e Ron Franscell. Nada mais justo, já que é um livro que te leva pra dentro das salas de necrotério, contando os segredos que cada saco preto esconde atrás do zíper. Para saber tudo o que essa leitura oferece é só me acompanhar nesse post. ♥

O Segredo dos Corpos é o primeiro livro da coleção Crime Scene da Darkside Books que eu leio. Sim, eu também fiquei horrorizada com isso! Logo eu, a pessoa que entra todos os dias em fóruns de True Crime e fica procurando casos interessantes de assassinatos durante a hora do almoço? Talvez por ler exaustivamente sobre o assunto online diariamente achei que não precisasse de livros sobre o tema, por isso acabei não indo atrás dos títulos dessa coleção. Bom, só pra avisar, eu estava absurdamente enganada e vou explicar pra vocês o porquê.

Saco para Cadáver

Esse pacote da Darkside Books foi, definitivamente, o meu favorito até hoje! O livro veio nesse saco preto com zíper, como aqueles pra guardar corpos {juro que quase chorei de felicidade quando vi isso, sem exagero}. Pra completar o clima necrotério, veio ainda com um par de luvas azuis e uma máscara descartável, além da famosa faixa amarela escrito CRIME SCENE, que já era meu desejo há muito tempo e vai ser muito bem aproveitada quando eu arrumar um cantinho pros meus livros. Me fala se esse não é o kit mais incrível que você já viu na vida?

A equipe que cuida do design também se superou nesse volume! Todo mundo que me viu lendo esse livro ficou maravilhado e quis pegar pra ver sobre o que era, por que ele é simplesmente divino. A capa tem um detalhe em verniz no olho do cadáver, e isso dá um efeito incrível, parece que os olhos dele te seguem o tempo todo. Também amei a combinação de cores, achei esse azul claro tão lindo e diferente pra livros do gênero!

Segredos Desenterrados

Nesse livro o Dr. Vincent Di Maio, renomado patologista forense, nos apresenta alguns dos casos mais importantes em que já trabalhou. Cada capítulo nos apresenta um corpo e todas dúvidas e mistérios que o cercam; o trabalho de Di Maio é fazer com que cada dúvida seja extinguida e cada caso tenha um final justo.

Uma das coisas que mais achei interessante é que {obviamente} como profissional, o legista deve ser imparcial e avaliar apenas os fatos, e não deixar seus pré-conceitos falarem mais alto que as evidências. Enquanto acompanhava cada caso eu pensava comigo mesma “Mas é claro que foi um assassinato horrível e cruel!” para no final as provas mostradas por Di Maio refutarem minhas teorias iniciais. A imprensa e o público geralmente não procuram a verdade, o que queremos é um bode expiatório que nos deixe confortáveis. Gostaria de pensar que não sou assim, mas o caso de Trayvon Martin, que iniciou o movimento #BlackLivesMatter e encabeça o primeiro capítulo do livro, me fez ver como muitas vezes escolhemos fechar os olhos para a realidade.

Meus capítulos favoritos são os que falam sobre alguns dos Serial Killers que passaram pela carreira do patologista. Sempre tive um interesse absurdo pelo assunto e ver os casos pelos olhos de Di Maio é intrigante. Adorei descobrir como alguns casos do começo da carreira dele acabaram servindo como apoio no tribunal para que casos semelhantes futuros conseguissem ser levados à justiça. Ao mesmo tempo, senti uma tristeza absurda de ler sobre casos onde a verdade acabou sendo muito mais dolorosa e “injusta” do que uma mentira que gostaríamos de acreditar, e pessoas acabaram presas ou tiveram a família destruída por causa disso.

A narrativa é impecável, eu devorei palavra por palavra querendo descobrir a conclusão de cada capítulo. Esse foi um dos livros que mais mexeu comigo, especialmente por lidar com casos reais e trágicos. Honestamente, não consigo resumir algo tão complexo como o que é passado nas linhas desse livro, por isso recomendo essa leitura com todo o meu coraçãozinho dark. ♥

A partir de agora me declaro obcecada pela linha Crime Scene e amanhã mesmo inicio a leitura do terceiro livro que ganhei da coleção {sim, eu falo sério quando digo que amo algo}. Vocês também se interessam por esse assunto? Já conhecem esses livros? Me recomendem algo sobre True Crime, pode ser livro, filme ou documentário – quero conhecer o máximo possível sobre o tema!

Continue Reading

Resenha • Donnie Darko por Richard Kelly

Quando peguei o livro do Donnie Darko em mãos, a primeira coisa que pensei foi: “será que finalmente vou entender esse filme?“. Não me entenda mal caso não conheça essa obra, mas “o que foi que eu acabei de ver?” é a pergunta que todo mundo faz ao final dele – e essa é justamente uma das razões do sucesso desse clássico cult. Venha ver o que tem nesse volume lindo da Darkside Books e se apaixone por essa história também!

Essa edição de Donnie Darko da Darkside Books é simplesmente maravilhosa: tem capa dura com um design gráfico lindo, marcador de fita de cetim azul e um marcador em formato de avião da Caveirinha.

No prefácio escrito pelo Jake Gyllenhaal ele comenta brevemente sobre o impacto do filme e as experiências que ele teve e ainda tem quando alguém chega pra ele querendo discutir sobre o que o filme trata. Quer saber o que ele responde quando perguntam a teoria dele? Bom, isso eu não posso responder, você vai ter que ler pra descobrir. 💙

A entrevista com o Richard Kelly é simplesmente deliciosa. Não tinha a menor idéia dos percalços que uma produção {atualmente} tão famosa quanto Donnie Darko passou para ser produzida e levada a sério. Saber os detalhes da produção da boca do próprio diretor foi bem interessante e me fez dar bem mais valor ao resultado final.

Sabiam que a Drew Barrymore adorou o roteiro e quis produzir e participar do filme? Bem, eu não sabia. E foi só quando souberam que ela participaria que nomes grandes começaram a se interessar pela obra. E adivinhem, esse mesmo roteiro que ela leu está todinho aqui no livro, pra você ler também!

Sobre o Roteiro

Mesmo amando cinema eu nunca tive muito interesse em ler roteiros, mesmo porque achava abstrato demais. Até este livro, nunca tinha lido nenhum roteiro, e que ironia ter escolhido bem Donnie Darko, não é?

Já vi o filme algumas vezes, mas a última deve ter sido há pelo menos oito anos atrás, então eu não lembrava exatamente de todos os detalhes. No começo do livro já somos avisados pra assistir o filme antes de começar o livro; como já tinha visto, mesmo que há muito tempo, decidi ler tudo primeiro para ter uma experiência completamente diferente das anteriores.

Esse roteiro é a última versão {ou “tratamento”} do diretor, então é o mesmo material que toda a equipe e o elenco teve para se preparar para a gravação. Achei isso super interessante, pois imaginei a loucura que deve ser criar toda uma narrativa visual baseada nas breves descrições do roteiro, mesmo que os diálogos todos estejam praticamente ali. Mesmo com o filme já um pouco apagado da minha mente, ao ler cada linha as cenas apareciam claramente na minha cabeça, como se tivesse assistido há poucos dias e não há quase uma década, então a leitura dele acabou sendo super fácil.

No final também tem “A Filosofia da Viagem no Tempo”, o livro que é citado no filme. Não vou dar mais detalhes sobre ele, pois spoiler né, mas adorei ler ele na íntegra, parece que fazemos parte do mesmo Universo louco do filme.

O Filme Que Explodiu

Na edição acabaram cortando algumas coisinhas, obviamente, mas esse roteiro está bem próximo do resultado final. Assistir o filme depois acabou sendo uma experiência mais completa e até mais emocional, especialmente sabendo de todos os problemas enfrentados na gravação e divulgação do filme. Fiquei muito triste quando fui procurar mais sobre o Richard Kelly e descobri que ele simplesmente sumiu do cinema; ele fez algumas produções que foram muito criticadas e não produz nada desde 2009. Como algumas pessoas dizem, ele foi amaldiçoado ao fazer de seu primeiro filme uma obra prima e infelizmente não conseguiu superá-lo, como muitas vezes acontece em Hollywood.

Ah, outra coisa incrível do filme é a trilha sonora! Se você, assim como eu, é mega saudosista e nostálgico, vai amar saber que a trilha tem nomes queridíssimos como Echo & The Bunnymen, Joy Division, Tears for Fears, Duran Duran, INXS entre outros – sim, tudo isso por que a história é todinha ambientada nos anos 80. Não tem como não amar, né?

Minha Experiência com o Livro

Eu já adorava o filme mas esse livro me fez ter mais carinho por ele ainda. Eu super indico pra você ver o filme primeiro e depois ler o livro, senão você vai ficar perdidinho. Se já viu o filme há algum tempo, faça igual eu, leia o livro e reveja o filme depois, vai ser uma experiência diferente! Donnie Darko é imperdível, não é considerado um clássico à toa, por isso digo que é necessário que você assista SIM!

Não vou comentar absolutamente nada do final, nem mesmo das controvérsias, pois pra mim até isso é um spoiler, mas se quiser comentar sua opinião fique super à vontade. Amo discutir sobre filmes, sempre aprendo algo, então é só chegar!

Como a própria introdução da Darkside diz: “O livro não é melhor que o filme. O livro é o filme!“. Então pegue uma pipoca, escolha qual vai ver primeiro e se prepare para ficar hipnotizado por algumas horas. Tenho certeza que você não irá se decepcionar!

Continue Reading

Resenha • Abominação por Gary Whitta

Quando soube do livro Abominação que a Darkside iria lançar, fiquei super curiosa, pois é o primeiro romance de Gary Whitta, o autor de “Star Wars: Rogue One”. Eu não sei vocês, mas quando assisti esse filme no cinema eu me apaixonei, saí da sala soluçando de tanto chorar! Então é claro que quando li o release meu coraçãozinho bateu um pouco mais forte, visto que já tinha adorado esse trabalho do autor. Admito que Vikings e Idade Média não são minha escolha #1 quando se trata de literatura ou de cinema {acho que cansei do hype, sabe?} mas quis sair da minha zona de conforto, já sabendo que um livro com referências Lovecraftianas não me desapontaria. E adivinhem só: eu estava certa!

O Kit Sangrento

Quando recebi esse pacote da Darkside quase morri do coração! Ao abrir encontrei uma caixa de metal com um desenho de um escaravelho meio destruído na tampa, e dentro dela havia um pôster e o livro, com um dos projetos gráficos mais legais que já vi. Junto ainda veio um escaravelho de plástico com rodinhas, perfeito pra assustar todo mundo aqui em casa {spoiler: minha mãe é que me assustou com ele}. Um detalhe que eu simplesmente AMEI foi o sangue espirrado nas bordas das páginas. Já imaginava que o livro teria muito sangue derramado, mas quando vi isso, fiquei mais empolgada ainda!

Sinopse

Inglaterra, 888 d. C. O Rei Alfredo, o Grande, batalhou por muito tempo contra os invasores nórdicos, e sente que o acordo de paz com os bárbaros será quebrado após a morte do rei dinamarquês. Cansado das desgraças que as batalhas trouxeram ao seu povo, decide dar ouvidos a Aethelred, arcebispo da Cantuária, que diz ter encontrado a solução da guerra de uma vez por todas. Graças ao estudo de velhos pergaminhos, Aethelred inicia experimentos com magia e transmutação, com resultados infinitamente mais perigosos que os próprios bárbaros. Cabe então à Sir Wulfric, um dos melhores amigos do Rei, a tarefa de acabar com os planos do arcebispo.

Gore e Ficção Histórica

Antes de mais nada, vou avisar vocês que o foco de Abominação não são os Vikings. Eles são o pano de fundo do início da narrativa, então não espere ler uma história dedicada inteiramente a eles quando começar esse livro.

O livro é dividido em duas partes: na primeira conhecemos um pouco da história de Alfredo e de Sir Wulfric e também como as ameaças nórdicas levaram o Rei a permitir o uso de magia antiga para a proteção do reino. Na segunda parte é mostrada a caça de uma das últimas criações macabras de Aethelred por Indra, uma paladina da ordem fundada por Sir Wulfric quinze anos antes.

Gostei muito do desenvolvimento dos personagens, o autor consegue transpor os anseios e preocupações de cada um detalhadamente, fazendo com que o leitor se apegue a eles. As cenas de combate são bem escritas, e o fato de ter uma cavaleira na história, algo peculiar para a época retratada, me fez gostar muito mais da narrativa. Ah, isso sem falar dos monstros, uma pequena referência às bestas criadas por Lovecraft, com sua insaciável sede de sangue e destruição. Aliás, já disse que o livro é recheado de sangue, e confesso que isso foi uma das coisas que mais me deixou empolgada. Que  não ama um bocado de sangue, não é mesmo?

Fiquei muito feliz por ter dado uma chance à essa leitura, pois acabei me interessando pelo tema medieval mais do que imaginava. Se você gosta de fantasia, monstros, Idade Média e gore, tenho certeza que vai adorar esse livro, assim como eu adorei.

O Poe gostou tanto do livro que quis aparecer no post também! Quantos comentários essa princesa merece? Diga pra ele o que achou da resenha, e se já leu o livro, me conte sua opinião! Adoro conhecer novos pontos de vista. ♥

Continue Reading

Sobre ser uma #GIRLBOSS

capa girlboss

“Go Ahead, Underestimate Me”

“Vá em frente, me subestime” – Essa frase define muito bem toda nossa geração de mulheres. A carreira de Sophia Amoruso, desde seu início tímido, passando por seu auge astronômico e sua recente falência, é um bom exemplo da nova geração de mulheres empreendedoras e a reação da mídia nesse processo. Com a estréia da série no Netflix e certas reações ao “fim” da carreira de Amoruso, senti a necessidade de desabafar meus 2cents sobre o assunto. Já faz um tempinho que li #GIRLBOSS {cheguei a comentar nesse post} e desde aquela época fiquei com ele na cabeça. Caso você não conheça o livro, aqui está um resumo:

#GIRLBOSS • 2014 • Sophia Amoruso • A fundadora da Nasty Gal conta sua trajetória de vida, de adolescente rebelde que furtava lojas e remexia lixo até CEO de uma loja virtual de mais de 100 milhões de dólares. Amoruso é divertida e mostra que pra sermos bem-sucedidas temos que confiar em nossos instintos e seguir a nossa intuição.

Quando terminei o livro, me encantei pela paixão de Amoruso pela sua carreira, e achei incrivelmente inspirador para garotas jovens que aspiram sucesso profissional mas ainda estão meio perdidas {oi, prazer}. Claro que já conhecia a Nasty Gal, por isso adorei saber que a CEO milionária dessa loja incrível foi uma jovem tão sem rumo quanto eu. Dá uma pontadinha de esperança, não é mesmo?

Podemos dividir o livro em duas partes, que vão se intercalando: a primeira sendo a biografia louca de Amoruso e, a segunda, seus conselhos profissionais – e, pessoalmente, adorei as duas.  A rebeldia da autora me fez relembrar minha adolescência, por isso acabei me identificando muito com sua história, e seus conselhos me dão forças pra continuar focando na minha intuição e buscando aprimorar o que sou boa em fazer.

O livro é bem leve e divertido, gosto muito do jeito que a autora se expressa. Em cada capítulo ela descreve suas experiências e mostra como foi tomando conta das situações. Algumas das frases de efeito presentes no livro são:

  • Uma #GIRLBOSS sabe quando dar o soco e como receber o golpe
  • Todas as ações são criativas
  • O caminho reto e estreito não é o único para se chegar ao sucesso
  • O dinheiro fica melhor no banco do que nos seus pés
  • Aposte em si mesma

Esses são apenas alguns dos conselhos de Amoruso – e todos eles merecem ser levados em consideração. Esse livro é indispensável para todas mulheres que são #GIRLBOSS, mesmo que ainda estejam se adaptando à essa idéia ou que nem saibam que são ainda.

“Eu nunca sonhei com o sucesso. Trabalhei por ele.” Estée Lauder

Agora, sobre a declaração de falência: eu não sou perita em economia (pra falar a verdade a única DP que peguei até hoje foi Administração, pra vocês verem como sou péssima no assunto) por isso não entrarei em méritos técnicos, mas o que me deixou chateada foi o tom que a mídia usou ao falar sobre o assunto. Como é 2017 e ninguém aqui vive numa bolha – sim, estou falando sobre Feminismo – nem preciso comentar que as matérias seriam completamente diferentes caso Sophia fosse do sexo masculino. A opinião da mídia conservadora em relação à sua capacidade administrativa já é negativa pelo fato dela ser uma Millennial e são agravadas ainda mais simplesmente por ela ser mulher.

Por exemplo, olhe o print dessa matéria que Amoruso postou em sua conta de Instagram:

Once you've been slaughtered, it just becomes fun. Afterlife = 👌

A post shared by Sophia Amoruso (@sophiaamoruso) on

O fracasso da Nasty Gal prova que Millennials não estão prontos para liderar?” questiona a manchete. Amoruso reage comentando “uma vez que você foi massacrada, é só diversão“.

A “grande mídia” busca sempre demonizar a geração Millennial {aqueles que nasceram nos anos 80 e 90}, chamando-a de preguiçosa e mimada, e ataca constantemente as vitórias obtidas por seus “membros”, especialmente quando são mulheres. Cheguei a ver um portal que enfatizou que a fundadora da Nasty Gal tinha lágrimas nos olhos ao falar de sua renúncia, fato que provavelmente não seria noticiado caso ela fosse homem {esse é apenas um exemplo bobo que peguei logo na primeira notícia sobre o assunto}. Amoruso construiu um império do nada, em um tempo impressionante, sem uma graduação {ao contrário de grande parte de outros CEOs} e mesmo assim é alvo de dúvidas e chacotas pelos meios de comunicação.

“Por que se adaptar quando você nasceu para de destacar?” Dr. Seuss

Ver constantemente esse tipo de atitude me faz ter vontade de gritar aos quatro ventos: “Hey! Vocês aí! Estão vendo essa mulherada toda sendo incrível? Foi mal, mas o futuro vai ser delas”. Na verdade, vou ficar aqui no meu cantinho mesmo, cuidando das minhas coisinhas e tomando meu chá verde, enquanto vejo minhas amigas e todas essas mulheres incríveis dominando o mundo.

Como assim, dominar o mundo? Simples. Apoie os negócios das suas amigas. Comprem das artistas que vocês admiram. Procure por profissionais mulheres. Você vai criar uma rede linda de #GIRLBOSSES, que assim como você, são apaixonadas pelo que fazem e merecem reconhecimento pelo seu trabalho. Ninguém cresce sozinho. 🌸

Grupos legais pra mulheres empreendedoras: Compro De Quem Faz Das MinasCompro De Quem Faz Das Minas – Sampa. Lá tem todo tipo de serviço e você pode até anunciar seu negócio. Ah, e o site oficial da #GIRLBOSS tem vários artigos {em inglês} com pautas super interessantes, recomendo também.

E a série da Netflix?

Sobre a série: ainda não vi. Ops! Não sei qual é o tom dela {já vi gente reclamando que a Sophia parece uma adolescente mimada} então não vou comentar sobre isso. A série tem treze episódios e a única certeza que tenho é que a trilha sonora está imperdível {colocar “TKO” do Le Tigre é mancada com a minha pessoa}.  Com uma história como a de Amoruso não tem como a série não ser – no mínimo – divertida. Só sei que estou louca pra descobrir!

E você, já conhecia o livro? Já assistiu a série? Tem um negócio próprio e quer se promover nos comentários? Fique à vontade, a casa é sua. 🖤

Continue Reading

Lidos de Fevereiro e Março

Livros lidos em fevereiro e março

Ops! Acho que estou um pouquinho atrasada com esse post, não é? Devo admitir que minha vida ficou uma loucura com a minha recente viagem, então acabei atrasando quase um mês o post com meus livros lidos. Na verdade, foi proposital pra comemorar o Dia Mundial Do Livro, yayyyy! {mentira}

Parece que em Fevereiro e Março eu praticamente só li Darkside, haha. Também, não é pra menos, olha esses títulos, eu nem tive escolha! Mesmo antes da parceria do blog com a Darkside, vocês já sabiam que eu amava e tinha vários volumes da Caveirinha, e essa parceria veio pra confirmar que a Darkside é sim a editora do meu coração, muito obrigada. Já tinha postado aqui a resenha de A Guerra Que Salvou A Minha Vida {que foi o primeiro livro que recebi da parceria}, mas acabei incluindo na lista de lidos pra manter aqui organizadinho.

Na verdade li pouca coisa nesses dois meses. Em Fevereiro eu li apenas A Menina Submersa e o Evangelho de Sangue; amei muito a obra de Caitlín R. Kiernan mas foi uma leitura absurdamente pesada pra mim, então acabei demorando pra terminar. Pra tentar dar uma aliviada li o meu querido Clive Barker, por que sim, até o próprio Lúcifer me deixa mais em paz do que uma menina enfrentando seus próprios demônios. Mas vamos logos às resenhas pra vocês saberem o que mais eu amei.

A Menina Submersa

The Drowning Girl: A Memoir • 2012 • Caitlín R. Kiernan • A Menina Submersa é um livro dentro de um livro. Imp, a narradora, cria um mundo onde sereias e lobos se unem para criar uma história de fantasma – sua própria história de fantasma. Com uma narrativa não-linear, interrompida constantemente pelos pensamentos intrusivos e anotações da autora, vamos conhecendo Imp – ou pelo menos o que ela acha que é a Imp. 

Sobre a edição: é lindíssima. Com um miolo pink e capa dura com um design misterioso, esse livro é com certeza um dos mais belos que possuo – naquele padrão DarkLove que a gente já conhece. E sobre o conteúdo: como já disse lá em cima, achei esse livro incrível – e bem pesado. Acho que isso é devido à proximidade que tenho com a esquizofrenia e relações pessoais com saúde mental. Imp começa escrevendo o livro para relembrar fatos que ficaram confusos em sua memória e externalizar seus pensamentos. Ao longo de sua narrativa, ela expõe seus relacionamentos interpessoais, adiciona contos de sua autoria e descrições de quadros e referências a artistas reais e imaginários. Confesso que enquanto lia, ia anotando várias dessas referências pois queria saber se existiam mesmo {infelizmente muitas não existiam, haha}. Uma das coisas mais incríveis desta obra é como a autora consegue descrever o fluxo de pensamentos de Imp quando ela entra em uma de suas crises; é angustiante e extremamente realista. “A Menina Submersa” é, trocadilhos a parte, um mergulho brilhante dentro de uma mente esquizofrênica.

Evangelho de Sangue

The Scarlet Gospels • 2015 • Clive BarkerHarry D’Amour é um detetive particular com dons paranormais que, juntamente com sua amiga Norma, uma médium velha e cega, se dedica a investigar casos sobrenaturais. Em um desses casos, acaba tendo contato com uma caixa de Lemarchand e encontra o Sacerdote do Inferno, que desta vez tem ambições maiores do que torturar humanos à seu bel prazer.

Quem já conhece Hellraiser pode estranhar um pouco esse livro, que tem um foco bem diferente do primeiro. Desta vez, nosso conhecido Pinhead deseja aumentar seu poder e está disposto a destruir quem entrar em seu caminho, e a única salvação da humanidade é o detetive D’Amour e seu excêntrico grupo de amigos. Barker emprega mais humor nesse livro, trazendo situações e personagens inusitados para uma obra de terror. As personagens, aliás, são o ponto forte do livro, na minha opinião. D’Amour e seus amigos formam um esquadrão incomum e todos são cativantes, cada um à sua maneira; várias vezes algum deles soltava um comentário engraçadinho num momento inapropriado e eu acabava sorrindo junto. As descrições de Barker continuam sanguinolentas, então se você gostou de Hellraiser e quer fazer uma visita ao Inferno {literalmente}, você precisa saber o que acontece nesse volume.

The Warriors

The Warriors • 1965 • Sol YurickIsmael Rivera, respeitado líder da maior gangue de New York, marca um encontro com todas as gangues da cidade para planejar um ataque ao “Homem” – pois ao unificar todos os grupos, nem mesmo a polícia poderia detê-los. A trégua ordenada por Ismael acaba quando, em meio a brigas generalizadas e a chegada da polícia, este é assassinado. Os Dominadores, uma das tropas presentes, tentam então voltar para casa em Coney Island, mas para isso eles tem que enfrentar territórios desconhecidos, gangues rivais e toda a força policial atrás deles pelas ruas e metrôs da cidade.

Pra quem já conhece o filme {um dos meus favoritos}, o livro é uma surpresa e tanto. Ele é bem diferente do filme homônimo de 1979, e vi muitas pessoas ficaram decepcionadas ao ler a obra original. Yurick, graduado em Literatura, trabalhou por anos no serviço social tendo contato com vários “jovens delinquentes” e graças a isso conseguiu trazer um tom mais realista para sua história. Ele teve a idéia de combinar um clássico grego, “Anábase” de Xenofonte, com guerras de gangues em New York, e tanto no filme como no livro esse paralelo se dá pelos membros da gangue lendo uma versão em quadrinhos da obra grega. O livro é bem mais cru do que o filme {um filme Hollywoodiano não poderia exaltar uma gangue que assassina um homem sem motivo algum e estupra mulheres, não é mesmo?} mas mesmo assim é incrível, pois como o próprio Yurick disse, não haveria The Warriors sem o livro. A introdução de Yurick existente nessa edição da Darkside é uma delícia de se ler, um presente maravilhoso para fãs do clássico cult – é REALMENTE imperdível. Uma curiosidade: no dia seguinte  que terminei o livro fui a um bairro distante e que nunca tinha ido, e vi em uma parede, pichado em vermelho: THE WARRIORS. Sim, décadas depois de sua criação, esse clássico continua mais vivo do que nunca!

Menina Má

The Bad Seed • 1954 • William March • Rhoda Penmark, uma linda, educada e estudiosa garotinha de 8 anos de idade, é alvo das suspeitas de sua mãe, Christine, após a morte de um colega de classe. A apatia em relação ao falecimento do garoto e a cobiça exagerada da menina fazem com que Christine comece a duvidar de sua inocência. Esse terrível acontecimento começa a trazer à tona memórias obscuras de sua infância e a faz questionar qual seria a origem da maldade.

Novamente, um dos meus filmes favoritos está na minha estante de livros numa edição linda da Darkside! Eu sou simplesmente apaixonada pelo filme de Mervyn LeRoy e assisto ele no mínimo três vezes por ano – na verdade eu amo tanto “The Bad Seed” que eu quase choro de alegria toda vez que posso dissertar sobre isso. Algumas falas das personagens aparecem do nada na minha cabeça, e então fico dias obcecada com Rhoda e filosofando sobre a origem da maldade. Minha maior inspiração, John Waters, menciona em seu monólogo “This Filth World” que, quando criança, era deslumbrado pela Rhoda e fingia ser ela em sua cabeça {nem preciso falar que chorei quando ouvi isso dele, pois até então nunca havia conhecido ninguém que mencionasse essa obra prima}. O filme é muito parecido com o livro de March, mas mesmo assim, é uma leitura indispensável para quem se interessa por psicopatia infantil pois foi uma das primeiras obras a falar sobre o assunto. Nem consigo imaginar o frenesi que foi na época – imagine, uma criança assassina no meio da década de 50? Obviamente acho tanto a leitura como o filme obrigatórios, então caso não conheça ainda, não me decepcione e descubra logo a real face de Rhoda Penmark!

Contos de Imaginação e Mistério

Tales of Mystery And Imagination • 1835 • Edgar Allan PoeEssa antologia reúne 22 histórias de um dos maiores escritores de terror de todos os tempos. A publicação da Editora Tordesilhas reproduz a edição londrina de 1919 da George G. Harrap & Co. com ilustrações de Harry Clarke e prefácio de Baudelaire.

Sério, acho que nessa altura da vida não preciso falar o quanto Poe é importante pra mim. Meu gatinho não tem esse nome à toa; eu não faria uma homenagem dessas à qualquer um, apenas à quem eu admiro imensamente. Comprei esse exemplar há mais de um ano, quando não existia nenhuma edição de luxo dedicada ao autor. Como já havia lido a maioria dos contos acabei deixando ele de lado, até que mês passado me deu uma vontade louca de reler alguns deles. Ah, e sobre edições maravilhosas: a minha queridinha Darkside lançou há pouquíssimo tempo uma outra antologia incrível {a primeira nacional!} que em breve estará na minha estante por que sou incapaz de resistir à edições maravilhosas, vocês já perceberam. {Só um adendo: sempre que coloco o ano aqui nessas resenhas é por que acho importante saber quando o livro foi publicado pela primeira vez, pra entendermos as referências da obra e entrar no ‘clima’. Como essa é uma compilação de contos, coloquei o ano em que o primeiro conto foi lançado, só pra quem não conhece ter uma idéia, tá?}

Agora, francamente, fazer uma resenha de Poe aqui é desnecessário. Pra quem nunca leu {nossa, o que você está fazendo com a sua vida?} eu só digo que você precisa ler imediatamente {eu indico “O Gato Preto”, “O Poço E O Pêndulo” e “A Máscara da Morte Vermelha”, que são mais curtinhos e ótimos pra conhecê-lo}. Pra quem leu e não gostou, você não merece falar comigo nem com meu anjo gatinho preto. E pra quem já ama, acho que você já se sente mais do que em casa aqui, não é? E se quiser se aprofundar mais sobre o autor, a Anna tem um projeto incrível chamado #12mesesdepoe {cof cof que eu não participo por pura falta de organização, mas sempre fico de olho nas resenhas}, onde rola até um grupo de discussão. Fantástico, não é?

A Guerra Que Salvou A Minha Vida

The War That Saved My Life • 2015 • Kimberly Brubaker Bradley • Ada é uma garotinha de dez ou onze anos que mora em Londres com sua mãe e seu irmão mais novo, e é engolida pela tensão da Segunda Guerra mesmo que nunca tenha pisado fora de casa. Sem conseguir andar por causa de um “defeito” de nascença, a protagonista {assim como milhares de crianças} precisa abandonar Londres e procurar refúgio das ameaças alemãs no interior da Inglaterra. Os irmãos são acolhidos por Susan, uma senhora solteira que vive isolada da comunidade à sua volta, e a primeira coisa que eles descobrem sobre a Srta. Smith é que, como ela mesma diz, ela não é uma pessoa boa.

Já fiz resenha desse livro aqui neste post, então nem vou me demorar aqui. Clique no link pra ver o kit lindo que a Darkside me mandou e uma resenha mais detalhadinha desse livro encantador.

E aí, o que achou dos livros? Já leu algum deles? Ficou com vontade de ler? Você já percebeu que eu me empolgo quando gosto do assunto, então me conte mais no comentários! ♥

Continue Reading

Resenha • A Guerra Que Salvou A Minha Vida

Como já havia falado nesse post, estava super ansiosa com a parceria da Darkside, e na semana passada recebi o primeiro livro da Caveirinha! O item enviado foi “A Guerra Que Salvou A Minha Vida” de Kimberly Brubaker Bradley e, mesmo sendo um livro bem diferente do que estou acostumada, eu simplesmente amei. Para quem não conhece, a Darklove é uma linha dentro da editora que foca em obras escritas por mulheres, explorando lugares, culturas e épocas diferentes; e essa obra faz parte dessa coleção. Nesse post vou contar por que ele foi uma experiência que nunca teria vivenciado se não fosse por esse presente.

Sinopse

Ada é uma garotinha de dez ou onze anos que mora em Londres com sua mãe e seu irmão mais novo, e é engolida pela tensão da Segunda Guerra mesmo que nunca tenha pisado fora de casa. Humilhada diariamente pela Mãe, que nem recebe um nome ao longo da história, Ada já travava uma guerra em casa antes mesmo de Hitler planejar os bombardeios à cidade, ataques que mudariam completamente a vida dos irmãos. Sem conseguir andar por causa de um “defeito” de nascença, a protagonista {assim como milhares de crianças} precisa abandonar Londres e procurar refúgio das ameaças alemãs no interior da Inglaterra. Os irmãos são acolhidos por Susan, uma senhora solteira que vive isolada da comunidade à sua volta, e a primeira coisa que eles descobrem sobre a Srta. Smith é que, como ela mesma diz, ela não é uma pessoa boa.

O Kit e Minha Surpresa

O kit continha um saco de pano estampado que embalava o livro e três cartões postais mostrando crianças em meio à destroços de guerra. Quando abri o pacote e vi a estampa do tecido já sabia que livro seria, pois já tinha visto várias postagens sobre ele –  e foi aí que me bateu um leve desespero. Eu sou a pessoa mais drama queen do Universo e uma manteiga derretida assumidíssima. Posso ler e assistir filmes de terror, ver cenas com sangue e corpos decepados, ler relatos de crimes reais com a maior tranquilidade, mas eu simplesmente não consigo lidar com drama e coisas tristes no geral. Fujo de materiais relacionados à Guerra por que eles simplesmente me dilaceram, então vocês conseguem presumir como fiquei quando peguei o livro em mãos.

Imagine qual não foi meu espanto ao começar o livro e ficar completamente apaixonada por ele, com os olhos marejados enquanto devorava cada página? Já tinha lido outros títulos da Darklove, mas nenhum chegou perto do carinho que senti pelas aventuras de Ada ao decorrer de uma das maiores catástrofes que o mundo experienciou.

Primeiro lugar na lista dos mais vendidos do New York Times, “A Guerra Que Salvou Minha Vida” é uma leitura emocionante e deliciosa. As adversidades sofridas por Ada me faziam torcer por cada pequena vitória, e assim fiquei até o final. Bradley escreve com maestria, as personagens são cativantes e a narrativa da guerra descrita pelos olhos de uma criança, que mesmo bem longe dos campos de batalha teve sua vida afetada por esse trágico capítulo da História, é simplesmente incrível.  Recomendo muitíssimo essa obra para quem quer sentir um calorzinho no coração e ler uma bela história de superação, tenho certeza que você não irá se decepcionar.

Você já leu esse livro? Se sim, comente o que achou dele, vou adorar saber sua opinião! E você que não leu, ficou com vontade? Me conte tudo nos comentários.

Continue Reading

Lidos de Dezembro e Janeiro

Tenho que admitir que estive muito relapsa em relação à leitura nesse último ano. Na verdade, 2016 foi provavelmente um dos piores anos da minha vida nesse quesito – e não relaxei apenas com os livros, deixei todo meu lado criativo de lado e me arrependo muito disso. O cansaço do dia a dia fez com que eu ficasse preguiçosa, mas não admito que isso aconteça novamente! Estou mudando várias coisinhas da minha rotina e felizmente meu hábito de leitura foi algo que consegui retomar facilmente.

Entre Dezembro e Janeiro consegui terminar 5 livros e já estou na metade de outro. Vou comentar brevemente sobre cada um na ordem em que foram lidos, e já peço perdão pelo resumo estilo “descreva o livro do pior jeito possível” mas eu detesto esses resumos que soltam spoilers da trama inteira. Também acho que dá pra perceber que gosto de variar bem meu estilo de leitura, acho importante me desconectar completamente entre cada obra, assim não fica cansativo.

Clube da Luta

Fight Club • 1996 • Chuck Palahniuk • Nessa obra o protagonista anônimo, um “homem comum” que está descontente com seu papel na sociedade americana, conhece um excêntrico vendedor de sabonetes chamado Tyler Durden e cria com ele um clube de combate onde todos os homens são iguais e não há regras. Bem, na verdade há regras sim.

Já tinha assistido o filme há muito tempo e amado, então não foi novidade que também amei o livro. Claro que já sabendo o final perdi um pouco do impacto da trama, mas ainda assim tive uma ótima experiência. Só li um livro do Palahniuk antes, o “Condenada”, e gostei do estilo, me fez rir bastante. Ele tem uma narrativa descontraída que faz com que a leitura seja muito fácil. Recomendo tanto o livro como a adaptação para o cinema {embora tenha certeza que você já tenha pelos menos assistido}.

Os Belos e Malditos

The Beautiful and Damned • 1922 • F. Scott Fitzgerald • Retrata a vida de Anthony Patch, um socialite e herdeiro de um magnata, na New York em meio à Era do Jazz. Mostra sua relação com sua esposa, Gloria, o serviço militar no Exército e o alcoolismo.

Fitzgerald é um dos meus autores favoritos; sou apaixonada pelos “Loucos Anos Vinte” e ninguém descreve essa era melhor do que ele. Toda sua obra tem um “quê” de autobiografia: as festas, as viagens, a loucura e a bebida, mas especialmente seu relacionamento com Zelda. É impossível ler qualquer livro dele sem relacionar os personagens principais ao seu casamento conturbado. A biografia de Zelda está na minha lista, espero conseguir ler em breve.

O Iluminado

The Shining • 1977 • Stephen King • Jack Torrance, um escritor e ex-professor alcoólatra, aceita o emprego como zelador do Hotel Overlook e se muda com sua mulher Wendy e seu filho, onde passarão um rigoroso inverno isolados de qualquer contato humano. Danny, o filho deles, é iluminado, e o Hotel fará de tudo para possuí-lo.

Nem preciso falar nada desse, certo? Demorei anos pra ler o livro pois sou birrenta, sabia da rixa entre o Kubrick e o King e enrolei pra ler por causa disso. O livro é INCRÍVEL, entrou definitivamente na minha lista de livros favoritos; é bem diferente do filme também, mas ambos são maravilhosos. O filme sempre foi um dos meus favoritos {lembra que quase morri na exposição do Kubrick?} e me arrependo de não ter lido antes. Estou querendo até ler mais coisas do King, o único livro que li dele e realmente adorei foi The Dead Zone.

1984

Nineteen Eighty-Four • 1949 • George Orwell Winston Smith tem uma vida insignificante num futuro distópico, onde trabalha falsificando documentos públicos para que o governo sempre esteja correto no que faz. Smith fica cada vez mais frustado com sua existência e começa a se rebelar contra o sistema.

Já tinha lido esse livro há uns dez anos, e como gostei muito achei que estava na hora de reler. Chega a dar um aperto no coração perceber como o mundo de 1984 {que agora já não é o ‘ futuro’} está muito próximo da nossa realidade.

#GIRLBOSS

#GIRLBOSS • 2014 • Sophia Amoruso • A fundadora da Nasty Gal conta sua trajetória de vida, de adolescente rebelde que furtava lojas e remexia lixo até CEO de uma loja virtual de mais de 100 milhões de dólares. Amoruso é divertida e mostra que pra sermos bem-sucedidas temos que confiar em nossos instintos e seguir a nossa intuição.

Adorei esse livro pois já conhecia a Nasty Gal e é inspirador saber que a dona dessa empresa milionária começou como uma de nós, batalhando por sua carreira. Indico o livro para quem está no comecinho da vida profissional e sonha em ser empreendedora.

Enfim, esses foram os livros li recentemente. E você, já leu algum deles? Ficou com vontade de ler algum? Me indique algo que acha que vou gostar, sempre preciso colocar mais títulos na minha lista de “Quero Ler”.

Continue Reading

Twin Peaks • O Mistério Completo

Não é segredo para ninguém que eu amo Twin Peaks e toda e qualquer coisa relacionada à esse universo – tenho todos os motivos do mundo pra isso, até por que conheci meu namorado por causa dessa obra maravilhosa. Com uma nova temporada chegando ano que vem e o interesse por uma das séries mais icônicas da televisão aumentando a cada notícia divulgada, decidi mostrar um pouquinho da minha coleção para quem já é fã pirar junto comigo e também para atiçar a curiosidade daqueles que não conhecem nada sobre a série. Já adianto que esse post é gigante, então prepare-se, pegue sua xícara de café e me acompanhe, pois duvido que você não ficará apaixonado por esse mundo fantástico criado pelo David Lynch e Mark Frost.

A Trama

A história da série gira em torno do assassinato de Laura Palmer, uma garota linda e adorada por todos da pequena cidade de Twin Peaks, e a investigação do caso, conduzida pelo agente especial Dale Cooper do FBI. Com a morte de Laura, Twin Peaks aos poucos se mostra completamente diferente da pacata paisagem que imaginamos, onde o lado oculto de cada membro da cidade começa a ser revelado e histórias cada vez mais bizarras se desenrolam. A emblemática da série se resume a dualidade: verdade e mentira, sonho e realidade, vida e morte.

Uma Novela Cinematográfica

Originalmente Twin Peaks foi um seriado que durou de 1990 até 1991, contando com apenas duas temporadas e trinta episódios. A recepção foi estrondosa, pois sua trama tinha toques de surrealismo, suspense, drama e humor, bem diferente de qualquer produção existente.

Twin Peaks foi revolucionário para a época: trouxe a estética cinematográfica para a televisão e rompeu com os padrões das séries que existiam; explorou o estilo das novelas, seus melodramas e personagens, mas trazendo um estilo noir e surrealista. Enquanto as novelas tinham um tipo de efeito moral, a série mostrava personagens com nuances que alternam entre o “bem” e o”mal”. A novela “Invitation to Love” que alguns personagens assistem durante a série mostra bem essa relação, onde os cidadãos de Twin Peaks eram retratados como personagens dos dramas televisivos comuns até então.

A trilha sonora é uma das características mais marcantes da série. Composta por Angelo Badalamenti, as músicas conseguem evocar completamente a aura da cidade e a personalidade de alguns de seus habitantes. Para a criação da trilha, Lynch costumava descrever as emoções e o clima que ele gostaria que a música trouxesse enquanto Badalamenti as criava no piano. Nesse trecho de um dos extras da Gold Box Edition temos uma idéia de como foi o processo de criação, usando como exemplo o tema da Laura Palmer. E a melhor notícia: o Badalamenti vai estar na temporada nova, então pode ter certeza que a trilha será maravilhosa.

Fire Walk With Me

O filme {em português: Twin Peaks: Os Últimos Dias de Laura Palmer} foi lançado um ano após o fim da série. Lynch estava apaixonado pela Laura Palmer e suas contradições, e queria vê-la viva, se movendo e falando. Apesar de ter estreado em 1992 com uma péssima recepção da crítica e do público – foi vaiado em Cannes e um fracasso de bilheteria – o filme é hoje considerado um clássico.

Minha cena favorita: the pink room

“Fire Walk With Me” é um prequel da série, e mostra a última semana de vida de Laura e as bizarras cincunstâncias que levaram à sua morte, que é o ponto inicial da série. Podemos ver as duas faces da personagem principal: a garota perfeita que todos conhecem e a garota desesperada e com segredos sobre a cidade que ninguém nunca poderia imaginar.

É maravilhoso ver a interpretação da Sheryl Lee, pois na série não conhecemos a Laura de verdade. Com o filme e o diário nos aproximamos muito mais da personagem, o que faz com que a memória do que aconteceu à ela seja muito mais dramática.

OBS: recomendo a leitura do “O Diário Secreto de Laura Palmer” antes de assistir o filme. Apesar do filme mostrar bem como era a Laura enquanto viva, o diário mostra como ela quando ainda era inocente, muitos anos antes da série ou do filme.

Minha coleção

Conheci a série há uns seis anos, pois fiquei intrigada com as fotos da Laura Palmer que via aos montes no Tumblr e fui procurar quem era aquela prom queen maravilhosa por quem todo mundo era apaixonado. Só precisei assistir os primeiros minutos do episódio piloto para saber que tinha descoberto uma nova paixão; fiquei completamente obcecada com a aura da série, com a trilha sonora, com as personagens. Agora, imagine meu estado quando foi anunciada oficialmente uma nova temporada?

Quando saíram os primeiros rumores há quase três anos duvidei muito que a série voltaria, pois dar continuidade a uma série depois de 25 anos seria algo super bizarro, certo? Certíssimo. E justamente por ser tão surreal é exatamente isso que vai acontecer, e ainda por cima com uma pontualidade quase perfeita {“I’ll see you again in 25 years”}. Pela escolha do cast e teasers {olha esse do Lynch} tenho certeza de que será uma temporada memorável e digna de seu legado. Honestamente, não tem como não amar tudo isso.

Essa ainda é um acervo pequeno e modesto, mas espero que esse ano eu adicione muitos itens novos, graças a terceira temporada. Mal posso esperar pra ter uma coleção de Funko com minhas personagens favoritas!

Twin Peaks: The Definitive Gold Box Edition

O que eu mais gosto desse box é que cada episódio vem com uma introdução da Log Lady. Além disso, tem mais extras legais: entrevistas, documentários, a sátira do Saturday Night Live, vídeos do Twin Peaks Festival, comerciais na tv, documentos da produção, mapa interativo, entre outros.

Bizarramente só agora mexendo nas fotos eu notei a textura na estrada. Meu deus eu mereço um prêmio pela percepção aguçada.

OBS: Eu ganhei esse box e ele faz parte de uma história muito fofa que vou contar lá no final.

Twin Peaks: The Entire Mystery

Okaaay, esse box eu peguei emprestado do meu namorado, mas eu PRE-CI-SA-VA dele nesse post. Ele é de longe um dos box de Blu-ray mais lindos que já vi, a qualidade é impecável! Ele vem com dez discos, incluindo a série completa, o filme e muitos extras.

A capa do box é dura, texturizada e tem esse recorte mostrando o rosto da Laura quando foi encontrada morta. O rosto embaixo tem relevo – sim, esse box é bem feito nesse nível.

Detalhe das folhas translúcidas da descrição de cada disco

“Damn good food!”

“It fell down.”

A melhor surpresa: na última parte do box tem uma foto de um chão de terra, e quando abrimos a tampa tem um bilhete um tanto quanto… inusitado. Ou não.

FIRE WALK WITH ME

Não disse que esse box era incrível? Eu passo mal com esse box, sério. Nesse vídeo que meu namorado fez dá pra ter uma idéia melhor de como ele é. Se você conhece alguém que ama Twin Peaks e quer dar um presente inesquecível, recomendo esse box, tem aqui na Amazon gringa. A pessoa vai te amar pro resto da vida!

O Diário Secreto de Laura Palmer

“O Diário Secreto de Laura Palmer” revela todo o conteúdo do diário secreto {#duh} que é encontrado ao longo da série, desde a primeira entrada em 1984, quando Laura ganha o caderno em seu aniversário de 12 anos, até algumas anotações confusas e desesperadas dias antes de sua morte.

Ele foi escrito pela Jennifer Lynch, filha do co-criador da série, e lançado em 1990. A parte interessante é que ele foi publicado antes da segunda temporada – consequentemente, antes da revelação de seu assassino – mas a escritora diz que é possível adivinhar quem é o culpado pela sua morte se souber interpretar todas as passagens. Caso você ainda não tenha chegado na solução do assassinato, seria super legal ler esse diário antes de começar a segunda temporada e ter a mesma sensação que as pessoas tiveram durante a época da exibição original, tentando descobrir o assassino pelas pistas do diário.

Minha dica é: leia esse diário, não importa quando. É obrigatório. Ele vai dar uma luz completamente diferente sobre a personagem mais misteriosa e vai explicar muita coisa que fica meio obscura na série. Ah, já falei lá em cima, mas vou repetir: se puder, leia antes de assistir o filme, pois vai ajudar muito na compreensão dele. Não existe a possibilidade de você falar que gosta de Twin Peaks sem esse “extra”, pois ele amarra completamente a trama e te coloca dentro da cabeça da Laura, explicando muitas atitudes e pensamentos que antes {pelo menos pra mim} não faziam sentido.

The Secret History of Twin Peaks

Esse livro foi escrito pelo Mark Frost e lançado em Outubro desse ano. Reservei o meu e o do meu namorado no pré-lançamento {primeira edição, yay!}, mas ainda não terminei de ler, estou enrolando para ler mais perto da estréia da temporada para não ficar tão ansiosa. Sim, sou ridícula.

O livro é como se fosse um arquivo do FBI sobre um dossiê encontrado na cena de um crime ocorrido em 2016, ainda sob investigação. A introdução é um memorando do Gordon Cole {yassss}, pedindo uma análise completa e o maior levantamento de informações possíveis sobre o conteúdo do dossiê, incluindo a identidade da pessoa que o compilou – que se auto intitula “The Archivist” {“O Arquivista”}. O livro tem notas de rodapé em todas as páginas, feitas pelo Agente Especial responsável pelo caso.

O dossiê é na verdade uma coleção de documentos e notícias relacionadas à cidade de Twin Peaks. Ele foi feito em ordem cronológica: as primeiras entradas são cartas de 1805 e reúne arquivos que só param em 1989, citando um encontro do Arquivista com Cooper, sendo esse o último registro. Esse compilado é a maior fonte de informações que temos sobre a história da cidade.

Como mostra esse recorte de jornal, coisas estranhas já aconteciam em Twin Peaks há muito tempo

Como o livro foi escrito por Frost, com certeza terá uma relação direta com os novos episódios {outra razão para ainda não ter lido, como já disse lá em cima considero qualquer informação sobre a trama como spoiler e fujo o máximo que conseguir}. Preste atenção na imagem verde e vermelha de coruja, imagino que o “segredo” que ela guarda vai ser um dos pontos chave da terceira temporada.

Entendeu o segredo?

A place both wonderful & strange

É impossível lembrar de Twin Peaks sem mergulhar completamente em seu universo: árvores, vento, café, torta de cereja, donuts, corujas, troncos, água e fogo são padrões comuns quando lembramos da série. A coisa que mais amo de toda a produção é como consigo me colocar dentro da cidade; fecho os olhos e sinto os cheiros, os sabores, o vento e os respingos da cachoeira na minha pele. O episódio piloto é de longe meu favorito, assisto pelo menos a cada dois meses, de tanto que amo! Adoro ver a reação de toda a cidade depois de descobrir o que aconteceu com a Laura; a emoção que sinto com cada um dos personagens é real, parece que são pessoas que convivo diariamente e que fazem parte do meu universo. Claro que a cidade tem seus podres escondidos e surrealismos característicos, mas ainda assim sinto que conheço aquele lugar.

Twin Peaks faz parte da cultura pop. Já apareceu no Saturday Night Live, Simpsons e foi referenciado e usado como inspiração de dezenas de séries e filmes. Além dos livros oficiais {dois deles ainda não tenho, por isso não apareceram na coleção: “The Autobiography of F.B.I. Special Agent Dale Cooper: My Life, My Tapes” e o audiobook “Diane…” – The Twin Peaks Tapes of Agent Cooper} ainda existem vários livros sobre a cidade fictícia, sobre a série e o impacto que teve na época. Basta dar uma procurada rápida na internet que você vai encontrar uma legião de fãs que venera a obra, e caso você ainda não seja um deles, espero que esse post tenha despertado no mínimo uma vontade de conhecer melhor essa cidade e seus mistérios.

Ah, e como eu mencionei lá em cima, se não fosse por causa de Twin Peaks eu não estaria namorando. Sei que falar isso num post sobre a série faz com que pareça uma mentirinha, mas juro que é a mais pura verdade. Bem, a história é a seguinte: um dia achei um boy muito gato, fui stalkear e logo a primeira foto do Instagram era uma ilustração incrível que ele tinha feito do Bob. Juro pela minha coleção de cílios postiços que era a primeira foto mesmo, então senti que era um sinal do Universo falando que eu tinha que casar com ele e fui logo falar com ele. Conversamos sobre a série, ele me mostrou uma tatuagem que tinha feito há pouquíssimo tempo atrás {“FIRE WALK WITH ME” no antebraço} e a partir desse dia nunca ficamos mais que algumas horas sem conversar. Algumas semanas depois, no nosso primeiro encontro, ganhei duas coisas: o Gold Box de Twin Peaks e a certeza de que havia encontrado minha alma gêmea. Estamos juntos há quase dois anos e esperamos ansiosamente a terceira temporada, já que depois de tanto tempo vivendo apenas com as memórias de episódios antigos vamos sentir novamente aquele friozinho na barriga ao assistir um episódio inédito – só que dessa vez vamos estar de mãos dadas e grudados no sofá com um “damn good coffee”. ♡

Continue Reading

O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares

orfanato-peregrine1

O primeiro contato que tive com esse livro foi por meio de uma fotografia que vi na internet; nela, uma garotinha encontrava-se sozinha, parada na beira de um lago, e no reflexo na água havia não uma, mas duas crianças. Minha primeira reação foi pensar “COMO ASSIM eu nunca vi essa foto antes?”. Minha surpresa não foi injustificada: eu amo fotografias vintage e histórias de terror, e justamente por isso estou acostumada a ver sempre as mesmas imagens há anos e anos, acompanhadas de alguma história ‘aterrorizante’. Mas ver uma imagem tão bem feita despertou minha curiosidade; foi então que descobri que era parte do livro “O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares”.

Gente, olha essa capa. Orfanato, crianças peculiares e fotografias bizarras? Eu tive que comprar esse livro imediatamente, pois pensei que leria uma história fofinha de terror, do jeito que eu gosto. Eu odeio qualquer tipo de spoiler, e para mim até resenhas são spoilers, então quando comecei a ler não tinha a menor idéia sobre o que seria a história.

orfanato-peregrine4

Terror e suspense? Hum, acho que não. Qual não foi minha surpresa ao perceber nas primeiras páginas que o livro não era sobre nada disso? Ele é, na realidade, uma fantasia para o público pré adolescente, que realmente não é meu tipo favorito de literatura desde que, ahm, não sou mais adolescente. Enfim, mea culpa, eu que evitei saber sobre o livro e acabei tendo essa surpresa, por isso continuei a ler o livro sem mais empecilhos. Aliás, minto. Faltando pouquíssimas páginas para acabar fui ficando desesperada pois não seria possível dar um desfecho bom para a história, foi então que percebi que caí em outra armadilha: “Merda. Estou lendo uma trilogia!” – que não seria ruim se eu tivesse amado o livro, mas não foi o caso. Não que o livro não seja bom, mas ele não é meu estilo, e só de pensar que terei que ler mais dois para a conclusão da narrativa eu fico levemente angustiada. A história? Bom, vocês já perceberam que eu sou contra resenhas, então vou simplificar do meu jeito.

Jacob, quando criança, adorava ouvir as histórias de seu avô sobre o orfanato onde foi criado e as crianças peculiares que lá habitavam. Quando este morre, Jacob, já adolescente, vai atrás do orfanato, buscando respostas sobre a vida do avô.

orfanato-peregrine5

As fotografias são utilizadas ao longo do livro para ilustrar as crianças e alguns fatos descritos, e são de longe minha parte favorita. Imagine qual foi minha surpresa ao ler o seguinte disclaimer do autor, no fim do livro:

“Todas as imagens desse livro são fotografias antigas autênticas e, com exceção de algumas que passaram por leve tratamento, não foram alteradas. Elas foram emprestadas de arquivos pessoais de dez colecionadores, pessoas que passaram anos e horas incontáveis revirando caixas gigantes de retratos de todos os tipos em brechós, feiras de antiguidade e vendas de garagem para encontrar umas poucas fotos transcendentes, resgatando imagens de significado histórico e extraindo beleza da obscuridade – e, muito provavelmente, do lixo. Sua obra é um trabalho de amor sem glamour e acho que eles são heróis anônimos do mundo da fotografia.”

Imagine minha alegria ao saber que a melhor parte do livro é real! Não sei quais foram as alterações que fizeram nas fotos, mas eu não me importo, pois todas são fantásticas {devo admitir que imaginar o real contexto de cada fotografia me animou muito mais do que a própria narrativa}. Eu realmente achei as imagens incrivelmente realistas para serem atuais, pois acho muito difícil captar totalmente essa essência pitoresca sem ter um resultado forçado. Depois, procurando mais informações, descobri que inicialmente a idéia do livro era fazer uma história visual a partir de fotos antigas e exóticas, mas o autor decidiu criar uma narrativa e utilizar as fotos para ilustrá-la.

orfanato-peregrine3

 Para quem se interessou pelo livro, tenho uma boa notícia: Tim Burton está dirigindo a versão cinematográfica que deve sair em dezembro desse ano. O próprio diretor comentou: “Vocês tem certeza de que não fui eu quem escreveu esse livro? Parece algo que eu teria feito…”. Realmente, a narrativa tem muito do universo dele, e por isso temos a certeza de que o resultado será muito interessante.

Continue Reading

Doenças Literárias • TAG

Peguei essa TAG do Beco Literário; ela consiste em, para cada doença nós citarmos um livro de acordo com o que se pede.

 

Diabetes: Um livro muito doce.

Não costumo ler livros ‘doces’, mas se tem um que li e gostei foi O Triste Fim do Menino Ostra, do Tim Burton. É aquela coisa fofinha e macabra, sabe? Ok, talvez nada fofinha e apenas macabra, mas é o mais perto disso que me lembro.

Catapora: Um livro que você leu uma vez para nunca mais na vida.

Acho que a maioria dos livros obrigatórios para vestibular, não por que são ruins, mas por que a obrigatoriedade de ler eles é extremamente chata e traumatizante, tira toda a beleza e magia dos livros.

Influenza A: Um livro contagioso.

Acho que estamos vivendo uma época em que vários livros são contagiosos, não? Num mundo de trilogias, John Green e tons monocromáticos, eu costumo fugir do hype. Mas se tem um que tive de me render foi Harry Potter, quando estava em seu auge; devorei todos os livros, assim como pelo menos metade da minha geração.

Insônia: Um livro que você virou a noite lendo

Toda a série de Pretty Little Liars, que é bem bobinha, mas me viciou de um jeito inacreditável!

Amnésia: Um livro que você leu e não se lembra.

Nossa, nesse item cabem vários. Pego tantos livros que sempre acabo esquecendo a história de alguns, por isso estou sempre relendo meus favoritos. Lembro que peguei pra ler um chamado Memento Mori pelo nome, mas não lembro de absolutamente nada da estória, só o título mesmo.

Asma: Um livro que te tirou o fôlego.

F. Scott Fitzgerald sempre tira meu fôlego, mas o que ele fez com o Gatsby no fim do livro me arrancou lágrimas e me deixou sem ar. Chorei igual um bebê!

Má Nutrição: Um livro que você esqueceu-se de comer para ler.

Qualquer livro do Lovecraft. Esse homem me encanta e me deixa completamente hipnotizada e intrigada por qualquer história.

Doença de Viagem: Um livro que te lembre/você relacione com uma viagem.

Grande Hotel, da Vicki Baum, me lembra muito uma viagem que fiz ao Sul, já que foi meu companheiro durante a viagem toda.

E ai, gostaram? Achei essa TAG super divertida, fiquem a vontade para respondê-la também!

Continue Reading