Lipsync for your life!

Como tema do mês o Rotaroots definiu que teríamos de escolher 5 músicas para fazer o lipsync for your life! Para quem vive em outro planeta, o lipsync é uma performance que drag queens fazem para continuar no reality RuPaul’s Drag Race, que já está em sua sétima temporada! Vem cá ver que músicas eu escolhi:
Icona Pop • I Love It
 Hino pop o-bri-ga-tó-rio para quem ama ir pra balada! Essa música é super animada e perfeita pra embalar aquela noite louca com azamigas!

Sky Ferreira • I Blame Myself
Essa música já entra naquele rockzinho pop, mas que me faz soltar a franga para cantar! Amo muito a Sky {como já disse nesse post, falando sobre o show dela} e amaria fazer o meu lipsync com esta música!

Hilary Duff • Sparks
Essa música entrou na minha cabeça de um jeito alucinante, e não consigo parar de cantar! Ouça e me diga se não é viciante mesmo. O clipe original está uma merdinha, então coloquei esse fan-made mesmo, que está muito melhor que o original.

Ariana Grande • Break Free
Todo mundo já sabe que a Ariana Grande é meu amorzinho platônico, então não poderia faltar nessa lista. Break Free tem um clipe tão fofo e Barbarella que não tem como não amar!

Brooke Candy • Opulence 
Brooke Candy é uma diva, e mostra isso muito bem em Opulence. Esse clipe é o mais bem produzido dela, e ela está mais “high fashion”, mas sem deixar a esquisitisse de lado. Vale a pena ver o clipe, caso você não conheça ela e esteja a fim de ver uma artista pop mais dark.

Depois dessa babadeira toda estou até cansada! E aí queridas, que músicas vocês dublam com toda a vontade do mundo?

Continue Reading

Três livros que mudaram minha vida

Esse mês o Rotaroots propôs que indicássemos três livros que mudaram nossa vida, e assim que vi que este seria o tema fiquei super ansiosa para escrever esse post! Mas aí veio um choque: que livros eu iria escolher? São tantos livros especiais na minha vida que fiquei perdida, confesso. Mas depois de uns dias matutando um pouquinho, percebi que esses três diziam muito sobre mim.

The Bell Jar • Sylvia Plath

“A batida do meu coração retumbou como um tambor na minha cabeça. Eu sou, eu sou, eu sou.”

Esther Greenwood, uma brilhante, linda e talentosa escritora, ganha uma bolsa de um mês para estudar em New York, mas ao contrário de suas colegas, não se interessa por nada. É aí que começa a luta da personagem principal contra a depressão, até sua crise final.

“A Redoma de Vidro” é de longe o livro mais impactante da minha vida; o livro é quase uma auto biografia e na vida real, Plath suicidou-se um mês após o livro ser lançado. É um livro extremamente triggering e forte, então não recomendo que seja lido caso você esteja em uma fase difícil.

Menschen im Hotel • Vicki Baum

“Pessoas entram. Pessoas saem. Nunca acontece nada aqui.”

“Grande Hotel” é um livro da Alemanha pós-guerra, que também foi adaptado para o cinema com as atrizes Greta Garbo e Joan Crawford. O Grande Hotel é o mais luxuoso hotel de Berlim, onde ao contrário do que a frase inicial nos diz, tudo acontece. Um aristocrata arruinado, um magnata sem escrúpulos, uma bailarina decadente, uma secretária intriguista e um funcionário do hotel envolvem-se em encontros, desencontros e paixões avassaladoras.

Gostei muito desse livro pois ele mostra que todos estamos conectados, de uma forma que nem imaginamos, e que nossas ações afetam todo um meio. Li ele durante uma viagem ao Sul e fiquei estupefata com o desenrolar das situações. Vale a pena tanto a leitura do livro como o filme, que tem o roteiro pela própria escritora.

The Dreams in the Witch House • H. P. Lovecraft

“Se os sonhos ocasionaram a febre ou se a febre ocasionou os sonhos, Walter Gilman não sabia.”

Walter Gilman faz estudos científicos no sótão de uma velha casa, que foi moradia da bruxa Kezian Mason, e hoje é considerada amaldiçoada. De noite, é vítima de intensos pesadelos, onde é levado para um abismo fantástico e para outras dimensões; também nos sonhos é visitado pela a bruxa e sua criatura Parducho.
“Os Sonhos na Casa das Bruxas” não é um livro, mas sim um conto. Foi a primeira vez que me arrepiei de medo lendo algo na minha vida, e fiquei encantada com o fato de sentir isso com um livro, apenas criando imagens na minha mente. Lovecraft é um dos meus escritores favoritos e não poderia faltar nesse post.

Fiz essa lista com um aperto no coração, e agora que acabei percebi como é difícil escolher apenas três. Onde está meu amor, Fitzgerald? E Goethe? Poe? Enfim, vocês já conheciam algum desses livros? E quais vocês escolheriam?

Continue Reading

Os melhores shows da minha vida!

Como tema do mês de Março, o Rotaroots sugeriu um post sobre o melhor show da sua vida. Como eu sou uma pessoa extremamente decidida {e atrasada}, não consegui escolher apenas um show, então estou compartilhando quatro dos meus shows favoritos! Segue a lista e a dica para vocês não perderem de jeito nenhum o show desses artistas!

 

The Cure • 2013


 

Não é surpresa para ninguém que The Cure é minha banda favorita desde meus 14 anos, então era meio óbvio eles estarem como #1 nessa lista. Foi incrível ver o Robert Smith assim pertinho de mim, depois de tantos anos fan-girlizando o trabalho dele com a banda. Consegui ficar relativamente perto do palco, considerando a quantidade de pessoas, e fui às lagrimas inúmeras vezes {inclusive comprei máscara para cílios à prova d’água só para o show}. O show deles durou 3h15, pasmem, e tocaram quase todos os clássicos; para fãs como eu, foi um momento inesquecível e emocionante.

 

Ke$ha • 2015

 

Sky Ferreira •  2011


Esse show da Sky foi uma surpresa incrível: sou mega fã da cantora desde 2009, e nunquinha na vida achei que fosse vê-la tão perto. Bom, a história é a seguinte: a Sky começou a bombar em 2013, mais ou menos, e antes disso ela era relativamente desconhecida. Em 2011 ela era uma das modelos da fragrância CK One, da Calvin Klein, e graças à deusa a CK, juntamente com a MTV, deu uma festa em São Paulo, onde se apresentariam Copacabana Club e a Sky Ferreira. Pelo Twitter consegui ingressos VIPs para a festa para mim e meu amigo Kaue, e mesmo o show sendo na noite anterior à minha apresentação da banda do TCC {pensa numa pessoa que passou a noite em claro na balada ao invés de se preparar psicologicamente pro TCC} eu fui. E não me arrependi, viu? A festa era open bar de champagne e Absolut, com modelos andando de lingerie pela pista, um lusho! Copacabana Club, que eu não conhecia, foi uma surpresa super agradável, mas foi a Sky que ganhou o meu coração mesmo aquele dia. Com um show super rapidinho, mas que teve algumas das minhas músicas favoritas, ela se consagrou como minha diva rebelde do pop. Pouquíssimas pessoas estavam lá para vê-la {menos de dez}, então fiquei grudada no palco; vi a calcinha dela, cantei junto, ela se ajoelhava pra gente e fez um show incrível, por isso está nessa lista!

 

Madonna • 2012

Eu não sou fã da Madonna, mas tenho que assumir que esta mulher é incrível e o show dela é maravilhoso e super produzido! Ela me ganhou com as performances e bom humor, e como este foi o maior show pop que já fui, só tenho lembranças boas. Eu já vi a Madonna voguing gente, posso riscar isso da listinha de coisas fantásticas da vida! Mas foi a performance de Gang Bang que me chocou de verdade; até hoje quando vejo vídeos fico arrepiada, e mesmo assim o vídeo não consegue mostrar a dimensão do que foi ver aquilo ao vivo. O telão gigante explodindo sangue a cada homem que ela matava, ugh, foi fantástico {vide imagem acima}. Mas mesmo assim, fica a dica do vídeo aqui embaixo, se apaixone como eu me apaixonei!


E você, quais foram os melhores shows da sua vida?

Continue Reading