Resenha • Arquivos Serial Killers por Ilana Casoy

Já imaginou como seria desvendar o que se passa na cabeça de um serial killer? A Darkside Books te ajuda a solucionar esse mistério com a ajuda de Ilana Casoy, nessa edição especial da Crime Scene com mais de 700 páginas de análise comportamental e estudos de caso. Dois livros reunidos numa edição de tirar o fôlego para despertar o investigador criminal que existe dentro de você.

O tópico “Serial Killers” é um tanto quanto controverso: enquanto algumas pessoas ficam horrorizadas e preferem esquecer que estes existem, outras se interessam tanto sobre o assunto que leem sobre ele em fóruns na internet ou em livros dedicados ao tema. Acho que é bem óbvio que eu sou o segundo tipo e, se você é assim como eu, esse é um livro essencial pra sua coleção!

O Arquivos Serial Killers é um dos relançamentos em comemoração aos 5 Anos da Caveirinha – nada melhor do que comemorar essa data tão especial com Ilana Casoy, que é autoridade no país quando o assunto é mentes criminosas. Essa edição maravilhosa da Darkside Books contém na verdade dois livros: Serial Killers: Louco ou Cruel? e Serial Killers: Made in Brazil. Nesse post vou contar tudo sobre eles e mostrar a maravilhosa edição de luxo que a Caveirinha preparou para os leitores.

Human Organ For Transplant

Eu não me canso de falar como amo os pacotes da Darkside Books! Tudo é super bem pensado e feito com muito carinho, então cada vez que recebo algo pelo correio já tento preparar meu coração para não dar um grito. Bem, essa foi uma das vezes que não consegui me segurar.

Imagine receber uma bolsa de transplante de orgãos pelo correio, com dois livros incríveis dentro? Não consigo imaginar nada melhor do que isso. Já falei sobre o Meu Amigo Dahmer nesse post, mas receber esse Arquivos Serial Killers foi a melhor surpresa da vida!

Já disse que o livro é enorme {720 páginas, para ser exata}, mas como são dois livros então essa edição tem dois fitilhos: um preto e um vermelho. A borda das páginas é vermelha, o que torna esse livro quase uma obra de arte. Amo muito essa capa com a caveira e sem mais nada escrito, com certeza é um dos volumes mais lindos da minha estante. Talvez tenha até exagerado na quantidade de imagens que coloquei nesse post, mas eu simplesmente não consegui deixar nenhuma de fora. Ops! Caveirinha, assim você me mata!

Louco ou Cruel?

Em Louco ou Cruel? a escritora explica o que define um serial killer: as categorias em que são divididos e aspectos gerais e psicológicos, além de desmistificar várias crenças populares. Casoy também fala sobre os passos de uma investigação do FBI, além de comentar sobre os diversos métodos utilizados na Psicologia Investigativa. Esse capítulo em especial é muito interessante para quem se interessa por profiling criminal pois é bem abrangente e completo; é uma inquietante análise de como, por que razão e com que métodos os serial killers agem.

Cada capítulo seguinte é dedicado à um serial killer diferente, muitos dos quais tenho certeza que você já conhece: Ted Bundy, Jeffrey Dahmer, Albert Fish, John Wayne Gacy, Ed Gein, Ed Kemper… e a lista não para.


As Caveirinhas se encontrando {já falei desse quadrinho do Meu Amigo Dahmer aqui}

A quantidade de informações contida em cada capítulo é suficiente para te hipnotizar e não te deixar respirar até terminar de ler. Casoy consegue fazer com que você entre na cabeça do assassino e compreenda melhor o que se passava dentro dele, através de análises minuciosas de seu histórico de vida.

Se você gostou do seriado Mindhunter, produzido pela Netflix, com certeza vai amar esse livro! Além de explicar mais sobre criminologia e podermos ver como a ciência comportamental evoluiu nas últimas décadas, tem um capítulo sobre o Ed Kemper, um dos personagens mais interessantes retratados na série. Se quiser mergulhar fundo na mente dessa “carismática” montanha psicopata de 2,04m responsável pela morte de dez pessoas, essa leitura é essencial para você.

Made in Brazil

Made in Brazil foi o pioneiro do gênero a se dedicar a serial killers brasileiros. Casoy pesquisou desde casos encerrados há décadas até alguns mais recentes, onde pôde ficar cara a cara com os assassinos. É um dossiê completíssimo sobre assassinos em série no Brasil, inclusive contando com entrevistas e anexos técnicos de alguns dos apresentados.

Alguns dos assassinos em séries retratados nessa edição são: Francisco Costa Rocha {Chico Picadinho}, José Paz Bezerra {Monstro do Morumbi}, José Augusto do Amaral {Preto Amaral} e Pedro Rodrigues Filho {Pedrinho Matador}, entre outros.

Uma das coisas que mais chamou minha atenção nesse livro foi o fato de que eu não conhecia praticamente nenhum deles. Especialmente os mais antigos, do começo do século passado, eu nunca sequer tinha ouvido falar, apesar do quão bizarro foram e da magnitude que tiveram na época. Parece que nós brasileiros preferimos apagar da memória esse tipo de acontecimento, ao invés de tentar aprender para que casos similares no futuro sejam evitados.

Outra coisa que me deixou arrepiada foi conhecer os lugares onde alguns dos casos se passaram. Quando leio sobre Dahmer ou Ramirez, por exemplo, não conheço as ruas por onde eles andavam, os bairros onde moravam. Já em Made in Brazil eu literalmente passava por alguns dos lugares citados todos os dias! Avenida Tiradentes, Rua Teodoro Sampaio, Anhangabaú… imaginar que eles já andaram pelas mesmas ruas que eu é assustador.

Talvez por isso ler o Made in Brazil seja tão diferente do Louco ou Cruel?; é mais próximo da nossa realidade e por isso acaba sendo mais sufocante, mas não deixa de ser uma leitura interessantíssima e indispensável para quem se interessa por True Crime.

O que acharam dessa edição maravilhosa? Já conheciam os trabalhos da Ilana Casoy?

Ah, se você fizer uma compra por esse link da Amazon você me ajuda com o blog, sem nenhum custo adicional para você. 🖤

Continue Reading

Resenha • Meu Amigo Dahmer

E se você descobrisse que aquele seu amigo estranho do colegial virou um dos mais famosos serial killers do mundo, o que faria? Derf Backderf decidiu relembrar sua adolescência nessa Graphic Novel perturbadora, para contar uma história bem diferente da que estamos acostumados sobre o canibal necrófilo Jeffrey Dahmer.

Quando a Darkside Books anunciou que lançaria HQs fiquei mega animada, pois se tem uma editora que eu confio plenamente no gosto é a Caveirinha, então já sabia que iria adorar os títulos novos. Quando vi que Meu Amigo Dahmer estava entre os três primeiros lançamentos nem consegui acreditar; na época nem sabia que o filme já estava em produção, mas já tinha ouvido falar {e muito!} nessa Graphic Novel. Fiquei esperando ansiosamente meu pacotinho chegar em casa.

Para quem não percebeu ainda, eu sou fascinada por casos de True Crime e Serial Killers. Eu passo meu horário de almoço inteiro, literalmente todos os dias, fuçando sobre o assunto no Reddit e quando não consigo dormir tento encontrar um artigo que ainda não li no blog O Aprendiz Verde, um dos meus favoritos da vida. Até cheguei a contar nesse post sobre O Segredo dos Corpos que demorei pra pegar os livros da coleção Crime Scene e que me arrependo amargamente disso, pois acabaram sendo os mais incríveis que li esse ano. Meu Amigo Dahmer mostra um outro lado desse tema, focando na história do serial killer antes de matar, e é essencial para qualquer um que se interesse pelo assunto.

Quem foi Jeffrey Dahmer?

 • { AVISO: CONTEÚDO VIOLENTO E DESCRIÇÕES GRÁFICAS } •

Jeffrey Lionel Dahmer {21 de Maio 1960 – 28 de Novembro de 1994} foi um dos mais brutais serial killers americanos. Entre 1978 e 1991, Dahmer matou 17 homens; ele dopava e violentava suas vítimas, estrangulava-os e desmembrava os corpos, preservando algumas partes e comendo outras. Ele também tentou criar “zumbis sexuais”, injetando ácido e água quente nos crânios abertos de suas vítimas ainda vivas.

Quando descoberto, as provas em seu apartamento não poderiam ter sido menos chocantes: quatro cabeças decepadas, sete crânios, dois esqueletos, dois corações e um torso, além de várias outras partes de corpos, como pênis em conserva e torsos meio dissolvidos em ácido. Também foram encontradas várias polaroids no local que mostravam as atrocidades cometidas.

Em 1992 o “Canibal de Milwaukee”, como ficou conhecido, foi condenado por 15 assassinatos e pegou 957 anos de prisão. Em 1994 Dahmer morreu após sofrer um ataque com uma barra de ferro por outro presidiário.

A história antes da história

Ler Meu Amigo Dahmer é uma experiência visceral, não importa se você acompanha casos de True Crime ou não. Quando imaginamos um serial killer pensamos logo em um monstro longe de nossa realidade; é difícil imaginar que essa pessoa tenha sido uma criança vulnerável um dia, que tenha frequentado a escola, rido de alguma gracinha que aconteceu em sala, tido amigos que nem imaginavam o que se passava em sua cabeça – e é exatamente esse retrato de Dahmer que Derf passa em cada página dessa história.

O interessante é que Derf não busca justificar os atos de Dahmer em momento algum, mas questiona se as coisas poderiam ter tomado rumos diferentes caso os “adultos” tivessem prestado atenção no que estava acontecendo. Os pais, professores e figuras de autoridade de sua vida sempre acabaram ignorando os problemas óbvios que Dahmer enfrentava, fazendo com que ele vivesse e lidasse com seus fantasmas sozinho.

Todos os fatos narrados nos quadrinhos são baseados em relatos do autor, amigos e professores, e são embasados por documentos oficiais e informações cedidas pelo próprio Dahmer em entrevistas posteriores. Além dos quadrinhos, Derf detalha cada acontecimento no final do livro, ampliando nossa visão dos acontecimentos.

Edição Caveirosa

Além da Graphic Novel revisada, essa edição com capa dura da Darkside Books tem também a versão original {e bem mais curta}, além de inúmeros sketches e fotografias originais do autor, retratando sua amizade com Dahmer e a vida deles na escola. Além disso, temos algumas páginas de rascunhos que acabaram sendo cortadas da versão final dos quadrinhos, mas que são igualmente fortes.

Uma coisa que me incomodou um pouco antes de começar a ler foi o estilo do traço de Derf, pois achei muito “simples” {e feio, cof cof}, e senti que não me faria “entrar” na história. Quando terminei, achei o estilo perfeito para a narrativa! Criei um respeito e um carinho tão grande pela história que quando fui tirar essas fotos senti novamente um peso no estômago, pois cada quadrinho é extremamente forte e impactante.

Foto acima • Para vocês verem como as Caveirinhas andam sempre juntas: retrato de Dahmer no colegial em 1977, no livro Arquivos Serial Killers de Ilana Casoy. Essa edição é fantástica e vai estar no blog em breve!

Honestamente, essa HQ foi a melhor que li esse ano. Ela é tão incrível que falo dela pra qualquer um, mesmo quem não goste do assunto. Até fiz minha irmã ler {acho que foi a primeira HQ dela}, mas é uma história que me surpreendeu tanto que não consigo deixar de lado.

Sobre O Filme

Depois disso tudo nem preciso dizer que chorei quando vi o trailer do filme, né? A semelhança de Ross Lynch com Dahmer é absurdamente impecável, e pelas poucas cenas que aparecem posso dizer que sua atuação também está muito parecida. Estou muito ansiosa por esse filme, muito muito muito ansiosa mesmo. A estréia está marcada para 03 de Novembro deste ano nos Estados Unidos, mas não tenho idéia se vai sair nos cinemas brasileiros. Assista aqui o trailer e me fale se não sente um arrepio até a espinha:

Ele foi um monstro, mas todo monstro nasce de algo; nessa obra conhecemos o início do fim de Dahmer.

E você, também se interessa pelo tema? Já conhecia essa Graphic Novel? Quer ver o filme no cinema? Já viu que eu me empolgo sobre o assunto, pode vir que vou adorar falar sobre isso.

Continue Reading

Resenha • O Segredo dos Corpos

Meu coração parou um pouquinho quando recebi esse pacote da Darkside Books com o livro O Segredo dos Corpos, escrito por Dr. Vincent Di Maio e Ron Franscell. Nada mais justo, já que é um livro que te leva pra dentro das salas de necrotério, contando os segredos que cada saco preto esconde atrás do zíper. Para saber tudo o que essa leitura oferece é só me acompanhar nesse post. ♥

O Segredo dos Corpos é o primeiro livro da coleção Crime Scene da Darkside Books que eu leio. Sim, eu também fiquei horrorizada com isso! Logo eu, a pessoa que entra todos os dias em fóruns de True Crime e fica procurando casos interessantes de assassinatos durante a hora do almoço? Talvez por ler exaustivamente sobre o assunto online diariamente achei que não precisasse de livros sobre o tema, por isso acabei não indo atrás dos títulos dessa coleção. Bom, só pra avisar, eu estava absurdamente enganada e vou explicar pra vocês o porquê.

Saco para Cadáver

Esse pacote da Darkside Books foi, definitivamente, o meu favorito até hoje! O livro veio nesse saco preto com zíper, como aqueles pra guardar corpos {juro que quase chorei de felicidade quando vi isso, sem exagero}. Pra completar o clima necrotério, veio ainda com um par de luvas azuis e uma máscara descartável, além da famosa faixa amarela escrito CRIME SCENE, que já era meu desejo há muito tempo e vai ser muito bem aproveitada quando eu arrumar um cantinho pros meus livros. Me fala se esse não é o kit mais incrível que você já viu na vida?

A equipe que cuida do design também se superou nesse volume! Todo mundo que me viu lendo esse livro ficou maravilhado e quis pegar pra ver sobre o que era, por que ele é simplesmente divino. A capa tem um detalhe em verniz no olho do cadáver, e isso dá um efeito incrível, parece que os olhos dele te seguem o tempo todo. Também amei a combinação de cores, achei esse azul claro tão lindo e diferente pra livros do gênero!

Segredos Desenterrados

Nesse livro o Dr. Vincent Di Maio, renomado patologista forense, nos apresenta alguns dos casos mais importantes em que já trabalhou. Cada capítulo nos apresenta um corpo e todas dúvidas e mistérios que o cercam; o trabalho de Di Maio é fazer com que cada dúvida seja extinguida e cada caso tenha um final justo.

Uma das coisas que mais achei interessante é que {obviamente} como profissional, o legista deve ser imparcial e avaliar apenas os fatos, e não deixar seus pré-conceitos falarem mais alto que as evidências. Enquanto acompanhava cada caso eu pensava comigo mesma “Mas é claro que foi um assassinato horrível e cruel!” para no final as provas mostradas por Di Maio refutarem minhas teorias iniciais. A imprensa e o público geralmente não procuram a verdade, o que queremos é um bode expiatório que nos deixe confortáveis. Gostaria de pensar que não sou assim, mas o caso de Trayvon Martin, que iniciou o movimento #BlackLivesMatter e encabeça o primeiro capítulo do livro, me fez ver como muitas vezes escolhemos fechar os olhos para a realidade.

Meus capítulos favoritos são os que falam sobre alguns dos Serial Killers que passaram pela carreira do patologista. Sempre tive um interesse absurdo pelo assunto e ver os casos pelos olhos de Di Maio é intrigante. Adorei descobrir como alguns casos do começo da carreira dele acabaram servindo como apoio no tribunal para que casos semelhantes futuros conseguissem ser levados à justiça. Ao mesmo tempo, senti uma tristeza absurda de ler sobre casos onde a verdade acabou sendo muito mais dolorosa e “injusta” do que uma mentira que gostaríamos de acreditar, e pessoas acabaram presas ou tiveram a família destruída por causa disso.

A narrativa é impecável, eu devorei palavra por palavra querendo descobrir a conclusão de cada capítulo. Esse foi um dos livros que mais mexeu comigo, especialmente por lidar com casos reais e trágicos. Honestamente, não consigo resumir algo tão complexo como o que é passado nas linhas desse livro, por isso recomendo essa leitura com todo o meu coraçãozinho dark. ♥

A partir de agora me declaro obcecada pela linha Crime Scene e amanhã mesmo inicio a leitura do terceiro livro que ganhei da coleção {sim, eu falo sério quando digo que amo algo}. Vocês também se interessam por esse assunto? Já conhecem esses livros? Me recomendem algo sobre True Crime, pode ser livro, filme ou documentário – quero conhecer o máximo possível sobre o tema!

Continue Reading