Resenha • Wytches

Brvxas: esqueça tudo o que sabe sobre bruxas antes de mergulhar nessa Graphic Novel de Scott Snyder que explora nossos medos mais profundos.

E pela primeira vez aqui no blog, uma resenha de uma Graphic Novel! Claro que tinha que ser com uma das primeiras HQs que a Darkside Books lançou, não é mesmo? Já comentei aqui que, mesmo estando noiva de um artista de quadrinhos, só agora estou me interessando por esse tipo de arte – e graças à esses lançamentos da Darkside estou tendo a oportunidade de conhecer HQs que são a minha cara. Hoje vou falar da primeira delas, que já tinha sido recomendada para mim e que fala sobre bruxas. Não, espera, eu quis dizer brvxas!

E é como disse lá em cima: essa não é uma história sobre bruxas, é uma história sobre brvxas. A primeira vez que li essa HQ foi em um domingo ensolarado e estava ansiosa para ler algo sobre as bruxas que eu amo: podia ser uma coisa à la Wicked, The Love Witch ou meio The VVitch, quem sabe? Mas não imaginei que o livro fosse fugir completamente dos arquétipos que estou acostumada e que gosto tanto – e por isso acho que acabei me decepcionando um pouco. Mas, como confio muito no gosto da minha querida Aline {que tinha me dito que essa era uma de suas HQs favoritas}, acabei relendo algum tempo depois sem maiores expectativas e adivinhem: eu simplesmente adorei dessa vez!

Não sei se o dia feliz e os raios de sol contagiando o ar com alegria enfraqueceram um pouco o impacto e o medo que eu deveria ter sentido pela primeira vez, mas ler essa HQ novamente em uma manhã nublada numa sala vazia fez meu coração saltar algumas vezes. Se você for ler Wytches pela primeira vez, siga meu conselho: leia num lugar onde esteja sozinho, sem barulhos e de noite – sua experiência será muito melhor.

 Sinopse

Sailor Rook é uma adolescente solitária que, juntamente com seu pai e sua mãe, se muda para uma pequena cidadezinha de New Hampshire chamada Litchfield, buscando um recomeço após um incidente trágico. O que eles ainda não sabem é que algo sinistro vive nas florestas, espreitando e esperando para atacar. Afinal, jura é jura!

Na Toca das Brvxas

Uma coisa que também achei incrível foi a técnica mista utilizada para as ilustrações, que ficaram a cargo de Jock. No fim do livro tem um passo-a-passo ilustrando como foram feitas as páginas, que é super interessante para quem, assim como eu, se interessa por esse tipo de arte. Cada página foi desenhada com nanquim e depois recebeu camadas e mais camadas de pinturas no Photoshop e de borrões com aquarela e tinta acrílica em papel, que foram intercaladas para criar esse efeito caótico e complexo.

E nem preciso comentar que quase morri de felicidade quando recebi esse pacote; os detalhes ficaram maravilhosos e totalmente minha a e s t h e t i c, haha. O livro veio embrulhado em um tecido rústico, estonado, amarrado com um cordão de camurça marrom com uma pedra roxa e galhos – parece que estava escondido perto de uma toca de brvxas! Olhar esse pacote depois da leitura me fez continuar imersa no universo dessas criaturas; sério, tem como não amar a Darkside?

Dentes Arreganhados

Ao ler os vários epílogos escritos por Snyder fui desenvolvendo melhor a idéia do que uma Wytch é para mim. Wytches são criaturas horrendas, que se escondem debaixo da terra e se alimentam de carne humana; mas elas só agem quando permitimos, quando somos tomados pelo medo e deixamos ele tomar conta de nossa vida. E sim, as Wytches são reais e nós passamos por elas todos os dias. Elas podem não comer carne, não literalmente pelo menos, mas o prazer pelo medo que elas infligem nos consome do mesmo jeito. As Wytches estão à espreita para ver você falhar, estão aguardando o deslize que vai fazer você chegar no desespero máximo para se deliciar com seu sofrimento; é nessa hora que elas chegam com os dentes arreganhados.

Essa é uma história em que Snyder usou o próprio medo de não poder proteger seu filho da realidade para criar uma narrativa dentro de uma mitologia, e podemos perceber bem esse sentimento no relacionamento entre Sailor e seu pai. Se eu, que não tenho filhos, já fico apreensiva normalmente ao imaginar a responsabilidade de criar outra pessoa, nem imagino a angústia que deve ser sentir esse medo específico. Se eu fosse mãe e lesse Wytches eu acho que teria uma síncope. E não são só os pais que sofrem com as brvxas: bullying, depressão, dependência e solidão são algumas das outras coisas que as Wytches adoram.

Apenas relembrando que essa é a minha interpretação. E, mesmo não vendo mais as Wytches como criaturas monstruosas, isso não quer dizer que eu tenha menos medo delas. O fato de enxergá-las o tempo todo agora me deixa apavorada!

E você, já conhecia essa HQ? O que achou? Ficou com vontade de ler? 💜

Continue Reading

The Love Witch

She loved men… to death.

Não poderia deixar de comentar sobre esse filme aqui! Assisti “The Love Witch” há um tempinho e não consigo deixar de lembrar dele todos os dias. Fiquei completamente encantada pois ele retrata perfeitamente todos os meus gostos. Este é o primeiro longa da diretora Anna Biller, mas o estilo dela é inconfundível: Biller ficou famosa no circuito underground quando lançou o curta “Viva”, sobre uma dona de casa em meio à revolução sexual. Então, se quer ver um filme onde vestidos Vitorianos e mini saias Mod combinam perfeitamente, você precisa conhecer  “The Love Witch”!

Sinopse

Elaine, uma linda e sedutora vixen, é obcecada pelo amor. Não que ela propriamente entenda o que significa o amor, mas ela é apaixonada por essa idéia. Usando feitiços e magia, ela busca nos braços de diversos homens sua felicidade final, mas sempre acaba se decepcionando quando vê a verdadeira natureza dos sentimentos deles, e acaba ceifando a vida de cada um dos que aparecem em seu caminho.

Banquete Visual Vintage

Ao contrário do que a maioria pensa, o filme não é uma paródia ou homenagem aos filmes Technicolor ou exploitation dos anos 60 e 70. Biller quis na verdade fazer um filme utilizando simbologia de cores, usando técnicas clássicas de iluminação e filmagem (essa obra prima foi gravada em 35mm, por isso temos um resultado tão incrível) e atuações teatrais que combinassem com o roteiro.

O uso da simbologia de cores pode ser visto, por exemplo, no salão de chá, onde tudo é rosa e remete à feminilidade, parecendo o interior de um útero. Já na casa onde Elaine se hospeda, por exemplo, a decoração foi inspirada pelas cartas do tarô {que também aparecem ao longo do filme}.

A época do filme é contemporânea, mas a vibe sixties da protagonista nos faz pensar o tempo todo que estamos assistindo um filme produzido há pelo menos cinquenta anos. Devo admitir que quando vi algumas imagens tive que checar o ano do filme pra ter certeza que não estava confundindo, mas o ano era 2016 mesmo. Meu namorado, quando assistimos juntos, estranhou meus comentários extasiados sobre a produção, e perguntou o ano do filme logo no comecinho. Me arrependi no momento que dei a resposta e vi a surpresa dele, pois queria vê-lo confuso quando aparecesse uma cena com celular {mesmo que os carros na rua, por exemplo, denunciem discretamente a contemporaneidade do filme logo no início}.

O que mais me impressionou nos trabalhos da diretora é a precisão técnica. Apaixonada por filmes da Era de Ouro de Hollywood, ela quer que os filmes sigam essa aura, como um mundo de fantasia, por isso tem tanto cuidado com cada detalhe. Para que tudo ficasse o mais fiel possível a sua ideia inicial, Biller dirigiu, produziu, editou, chegou a trabalhar na construção dos cenários, rascunhou cada cena do storyboard e até confeccionou o figurino {amante da moda retrô, ela usou revistas de modelagem de décadas passadas para criar os vestidos maravilhosos de Elaine}. O tapete de pentagrama foi feito à mão pela diretora, e demorou seis meses para ficar pronto!

A maquiagem também é um tópico a parte. A sombra azul combinada com o delineado gatinho que Elaine usa ao longo do filme virou minha obsessão! Nunca achei que fosse ficar tão apaixonada por sombra azul, juro; enquanto via o filme eu fiquei o tempo todo focada nos olhos dela. Uma curiosidade que li também foi que, por ser um filme 35mm, a maquiagem usada acabou sendo pouco tradicional. A marca utilizada foi a Shiseido, pois foi a única que deu uma aparência saudável à pele das personagens. Biller disse que a maquiadora até fez um teste com outras marcas, mas como a diretora já havia tido uma experiência anterior com “Viva”, comprou vários itens da marca e levou para ela testar já sabendo que assim teria os melhores resultados.

Objetificação Feminina

Qualquer pessoa que tenha uma noção de feminismo fica horrorizada com o comportamento de Elaine; até sua própria amiga, Trish, diz que ela sofreu lavagem cerebral do patriarcado com suas idéias sobre o amor e os homens. Quando procurei mais sobre o filme e o curta de Biller, entendi melhor o ponto de vista da diretora sobre suas obras. 

Trish é o representação da feminista moderna, tem desejos e ambições que vão além de seu casamento. Elaine é uma sociopata narcisista, egoísta e extremamente sexual {no sentido de suprir o desejo masculino, pois ela mesma parece tão impassível ao ato sexual quanto ao tomar uma xícara de chá no salão vitoriano}. Ela é a anti-heroína do filme e mesmo assim sentimos simpatia pela personagem, pois a constante objetificação sofrida ao longo dos anos acabou levando-a à loucura.

Elaine enlouqueceu ao tentar encontrar seu lugar no mundo dos homens, e esse resultado da busca pela perfeição e aceitação do sexo masculino é um dos pontos que a diretora mostra em suas obras. No universo de Biller, os homens temem a sexualidade e autonomia femininas, assim como temem as mulheres pois não possuem uma elevação espiritual e sentimental como elas. É justamente por essa fraqueza que Elaine os despreza e acaba matando-os.

Muitas das informações aqui expostas foram retiradas do Twitter da própria diretora, que estou stalkeando desde que vi o filme. Não tenho a fonte de tudo que cito aqui no texto pois já li praticamente todas matérias sobre o filme, antes mesmo de pensar no post, por isso acabei perdendo os originais {pra você entender o nível da minha paixão}. Mas ler as respostas de Biller, entender seus pontos de vista e pegar as referências incríveis que ela posta no Twitter diariamente foi a cereja do bolo pra me deixar obcecada com esse filme e com os assuntos retratados, por isso recomendo muito que siga essa mulher incrível. Você não vai se arrepender!

E pra quem curtiu a vibe do filme, ama rock psicodélico e queria muito viver nos anos 60 assim como eu, recomendo essa playlist:

Ufa! Espero que esse texto tenha deixado você pelo menos um pouquinho curioso pra assistir esse filme. Me fale se gostou; e se já assistiu, o que achou? Vou amar saber sua opinião! 🖤

Continue Reading